Hoje, 19 de junho, é celebrado do Dia do Cinema Brasileiro. Pensamos, então, em dar uma dica de filme legal para assistir em família. Conversando entre nós, a escolha foi unânime: Meu Pé de Laranja Lima.

Embora não seja novo (é de 2012) e a história já seja conhecida por muita gente – afinal, “Meu Pé de Laranja Lima” é um livro clássico na literatura brasileira –, assistir ao filme é um ótimo programa em família, porque gera interesse tanto nas crianças como nos adultos.

Trata-se de uma história triste, mas contada de forma poética... Aborda os problemas familiares, a solidão, a falta de atenção com os filhos, a questão da morte dentro do imaginário infantil etc. Mas não deixa de lado a criatividade e a sinceridade (pontos tão presentes numa criança), o que dá um toque extra de leveza ao filme.

O filme brasileiro, dirigido por Marcos Bernstein, foi desde sempre muito elogiado, exatamente por conseguir ser fiel à história do livro e por trazer uma ingenuidade cativante, a emoção necessária e ótimas interpretações (especialmente a de João Guilherme Ávila, que interpreta Zezé).

Para quem ainda não assistiu, indicamos de olhos fechados, especialmente para quem ainda tem aquele certo “preconceito” em relação a filmes brasileiros. Além da ótima produção, é um filme daqueles que “toca a alma da gente”.

O filme



Zezé (João Guilherme Ávila) tem quase oito anos e vive com sua família pobre no interior. Ele é sensível, precoce e um contador de histórias: ele é um problema! Seu esporte favorito é transformar sua casa e a vizinhança em cenário para suas traquinagens. E elas não são poucas. Seu refúgio preferido é um pé de laranja-lima. É com ele que desabafa as coisas ruins que lhe acontecem, divide sua solidão ou comemora uma boa novidade, como a amizade com Manoel Valadares (José de Abreu), o “portuga”. Amizade que fará com que Zezé dê a Manoel um mundo de fantasias e criatividade que ele nunca imaginou possível.

Helena com alta para o quarto na quarta cirurgia

No último dia 12 de junho foi comemorado o Dia Nacional da Conscientização da Cardiopatia Congênita, que visa reforçar a importância de fazer o ecocardiograma fetal e o teste do coraçãozinho.

Isso porque o diagnóstico precoce é essencial no tratamento da Cardiopatia Congênita, uma má formação que acomete o coração dos bebês. Aliás, você sabia que 1 a cada 100 bebês nasce com alguma cardiopatia?!

Segundo dado do Ministério da Saúde, esta é considerada a terceira maior causa de mortes de bebês antes de completar 30 dias e equivale a cerca de 10% das causas de mortalidade infantil.

Não tínhamos nos atentado à importância da data, até que uma de nossas leitoras, da cidade de São Pedro, nos sugeriu falarmos sobre o tema. Ligia Manfrinato Bilia Matarazzo é mãe da Helena, de 3 anos.

“Descobri a cardiopatia congênita da minha filha no primeiro dia de vida dela. Minha mãe desconfiou que havia algo errado, pois ela tinha as extremidades cianóticas (roxinhas), a respiração dela também era mais ofegante”, conta Ligia.

Helena fez um ecofetal no segundo dia de vida e foi diagnosticada a hipoplasia do ventrículo esquerdo (cardiopatia mais grave que existe). “Imediatamente ela foi transferida para a UTI e não tivemos um bom prognóstico. As crianças com essa cardiopatia precisam de cirurgia nas primeiras 48 horas de vida e precisam de, no mínimo, três cirurgias até os 4 anos de idade”, explica a mãe.

Helena com alta da primeira cirurgia

“Ficamos arrasados, foi o famoso ‘balde de água fria’... O que era para ser o momento mais especial de nossas vidas, tornou-se o mais assustador”, acrescenta Ligia.

Perguntamos se a Ligia já tinha ouvido falar sobre a cardiopatia congênita antes da experiência com a filha dela. “Tinha apenas ouvido falar de um caso de cardiopatia na família, e muito mais simples... Como fazia muito tempo, nem nos atentamos a isso”, respondeu.

Hoje, a Helena já passou por 4 cirurgias cardíacas e 3 cateterismos e vive bem, como qualquer outra criança. “Logo poderá frequentar escola, como tanto deseja”, conta Ligia.

Mas, a difícil experiência fez com que Ligia queira conscientizar o máximo possível de mães sobre a importância do diagnóstico precoce.

Alerta

Na UTI na terceira cirurgia
Alta da UTI na terceira cirurgia

No último dia 12, Ligia aproveitou para escrever um texto de conscientização em suas redes sociais:

“O principal exame (ecocardgiograma fetal) que detecta cardiopatias na gestação NÃO ESTÁ no protocolo de exames do pré-natal. TODOS os nossos ultrassons de rotina apareciam NORMAIS, fizemos todos os morfológicos trimestrais e nada foi detectado.

Helena foi diagnosticada com um dia de vida com Síndrome de Hipoplasia do Coração Esquerdo, onde o lado esquerdo do coração não se desenvolve. Não tem cura e a sua vida depende de tratamento cirúrgico nas primeiras 48h após o nascimento. A cardiopatia da Helena é rara e complexa, atinge 1 a cada 5000 bebês nascidos vivos. Podemos chamar de milagre, sorte ou o que for, a Helena aguentou firme e forte por 6 dias até ser transferida para um hospital com profissionais capacitados para tratar sua cardiopatia.

Todos nós fomos pegos de surpresa.

Todos os pais sempre são.

Ninguém – repito - NINGUÉM imagina que isso vai acontecer com a gente.

Até que um dia acontece...

E nós, que mal ouvíamos falar sobre cardiopatia congênita passamos meses dentro de um hospital com a Helena, foram quatro cirurgias cardíacas, três cateterismos, em uma dessas cirurgias estivemos dentro da maior UTI Cardiológica Pediátrica do Brasil. TODOS os dias nascem inúmeros bebês com problemas no coração e TODOS os pais foram pegos de surpresa.

Eu não estou aqui para assustar ninguém... Eu estou aqui para fazer um alerta para a vida e a saúde dos nossos bebês.

Nós não tivemos a oportunidade de nos preparar durante a gestação, tivemos sorte de cairmos nas mãos de bons profissionais. Infelizmente, não é isso que vemos acontecer com a maioria dos cardiopatas graves que não são diagnosticados durante a gestação, grande parte morre sem receber tratamento.

Eu tiro esse dia de hoje para conscientizar vocês sobre a cardiopatia congênita e a importância de um diagnóstico precoce.

Não menospreze esse alerta. Se você está gestante ou conhece uma, exija ao obstetra uma guia para realizar um ECOCARDIOGRAMA fetal e na maternidade exija que seja realizado o ‘teste do coraçãozinho’ – é um teste simples, rápido, indolor e não-invasivo.

Não desejo que ninguém passe pelo que passamos, por isso enfatizo: DIAGNÓSTICO PRECOCE SALVA VIDAS.”

O ecocardiograma fetal


É essencial que as famílias saibam da importância do pré-natal bem feito, pois diagnosticar a doença durante a gestação melhora a perspectiva do tratamento das cardiopatias graves.

Além dos exames de ultrassom, toda grávida deve realizar o ecocardiograma fetal, por meio do qual o médico especialista em cardiologia fetal observará as estruturas do coração do bebê, verificando se estão de acordo com o esperado.

A identificação do problema auxilia o médico a fazer um planejamento do nascimento e do tratamento, além de auxiliar a família a entender melhor o que está por vir. Em alguns casos, pode-se ainda tratar no útero certas doenças cardíacas fetais, como a arritmia.

“Meu conselho para as futuras mamães é que elas insistam para que seus obstetras incluam o exame ecofetal na gestação! Uma em cada 100 crianças nasce com cardiopatia congênita, é um número muito alto. E o diagnóstico precoce é extremamente importante para aumentar consideravelmente a chance de sobrevivência dessas crianças. Os pais poderão se programar para o nascimento em centros de referências, com profissionais capacitados”, destaca Ligia.

“A Helena teve muita sorte pois sobreviveu por 6 dias até ser transferida, mas infelizmente não é o que acontece com a maioria das crianças que nascem com cardiopatia grave e sem diagnóstico”, ressalta a mãe.

É bom saber que a melhor idade gestacional para fazer o ecocardiograma fetal é entre 20 e 28 semanas e que o exame é um tipo de ultrassom realizado através do abdômen materno, ou seja, não é invasivo.

Em alguns casos, pode ser necessário fazer o ecocardiograma fetal mais precocemente ou com maior frequência:

- Quando houver casos de cardiopatia congênita na família do pai ou da mãe;

- Quando houver filhos anteriores nascidos com doença cardíaca;

- Quando a gestante adquirir certas infecções que podem comprometer a formação do coração;

- Se a mãe fez uso de medicações que podem ser associadas ao desenvolvimento de doença cardíaca fetal;

- Se a mãe tiver diabetes.

Mas, vale lembrar, cada caso deverá ser avaliado individualmente pelo médico de confiança.

O teste do coraçãozinho

O exame de oximetria de pulso, ou teste do coraçãozinho (como é mais conhecido), mede a oxigenação e batimentos cardíacos do bebê entre as primeiras 24 ou 48 horas de vida após o nascimento.

É rápido e indolor, mas, muito importante, pois, caso seja identificada alguma anomalia, o recém-nascido é submetido a um ecocardiograma para confirmação ou exclusão do primeiro diagnóstico sobre o sistema cardiovascular.

Fotos


Confira algumas fotos que mostram um pouquinho da trajetória da Helena até aqui!





Helena passou seu aniversário de 3 anos nesta última internação





Quem é mãe de menina sabe: em algum momento elas pedem para pintar as unhas! As infinitas opções de cores de esmaltes, a possibilidade de fazer desenhos e/ou colocar adesivos são verdadeiras “tentações”, especialmente para as garotinhas mais vaidosas; e, muitas vezes, nós, mães, ficamos “com dó” de recusar este pedido, não é verdade?

É essencial sabermos que as cutículas das crianças não devem ser tiradas e que o uso de esmalte deve ser bem esporádico, não permanecendo também por muitos dias nas unhas. Além disso, o esmalte escolhido deve ser hipoalergênico e/ou próprio para crianças. (Já para as menores de dois anos, nem mesmo os esmaltes hipoalergênicos devem ser aplicados).

Muitas meninas acabam indo com as mães fazer as unhas em esmalterias, e aí é muito provável que elas queiram passar um esmalte. Algumas, inclusive, já sabem exatamente qual cor querem passar, pois estão “de olho” nas tendências.

Pensando nisso e, é claro, num uso esporádico, pedimos para Michelly Sanches e Maria Helena, do Studio Michelly Sanches, citarem os principais tipos de unhas que encantam as meninas!

- O rosa está entre as cores prediletas das pequenas, e as opções de tons são muitas! Mas, sem dúvidas, as unhas que fazem mais sucesso são as decoradas (com fundo ou detalhes em rosa) e/ou que misturam mais de uma cor!





- Grande parte das meninas se encanta quando vê uma unha desenhada. Unhas decoradas da Minnie e Mickey, com desenho de lacinhos, de frutas, de coração, de florzinha e de bichinhos estão entre as mais populares. Mas, as opções são incontáveis!











- Em tempos de Copa do Mundo, algumas meninas querem apostar em esmaltes azul, amarelo ou verde. Há muitas opções de tons: uns mais discretos, outros mais chamativos. 


E as mamães, o que têm escolhido?

Entre tantas opções de esmaltes no mercado, muitas vezes é difícil escolher, né? Pensando nisso, a manicure Maria Helena trouxe algumas dicas especiais para as mamães:

 - A francesinha nunca perde seu charme, pode ser feita da maneira tradicional, mas também de forma mais ousada, usando cores.






- Para as mulheres mais modernas, há lindas opções de desenhos que podem ser feitos, sem que seja perdida a harmonia e delicadeza das unhas. 



- Os nudes nunca perdem seu lugar e continuam sendo os preferidos entre as mulheres! 


- Em segundo lugar, vêm os vermelhos, tanto os mais abertos como os mais fechados, que nunca perderão seu lugar no ranking, até mesmo pela variedade de tons que oferecem!




- Em tempos de Copa, algumas mães também querem inovar! Por isso, os tons mais discretos de esmaltes verde e azul têm sido ótima pedida!




Mas, a verdade é que: muito além das tendências, o que vale é a preferência de cada mulher! E, no caso das crianças, a cor que mais chamar a atenção delas!

E no Studio Michelly Sanches, você encontra uma variedade enorme de cores de esmaltes, profissionais altamente capacitadas, todo o conforto para fazer suas unhas e um atendimento que dispensa comentários (que, com certeza, te fará voltar muitas e muitas vezes)!

Maria Helena e Michellyne 
Studio Michelly Sanches fica na Rua Alferes José Caetano, 1926, Centro.

Telefones para agendar seu horário: 19 3371-3912 / 19 99982-6692





Foto: Ilustrativas/Pinterest




9 de junho é o Dia da Imunização. Data importantíssima que nos remete aos cuidados com nossas crianças, mas que deve também nos fazer lembrar da importância de nós – adultos – estarmos com a vacinação em dia!

Pensando nisso, fizemos uma entrevista com o Dr. Paulo Tadeu Falanghe, pediatra e diretor da CdVac (Centro de Vacinação) de Piracicaba, a fim de destacarmos a importância da vacinação em adultos e crianças! Confira:

- Qual a importância da vacinação em dia?

Dr. Paulo Tadeu Falanghe: A importância principal é a proteção contra a doença para a qual a vacina é elaborada.

As vacinas são substâncias derivadas de algum micro-organismo e que induzem uma resposta do sistema imunológico da pessoa que recebe a vacina, principalmente produção de anticorpos, que levam a uma proteção para aquela doença. A resposta do sistema imunológico é semelhante à causada por algumas doenças infecciosas que produzem imunidade.

As vacinas, além da água potável e dos antibióticos, são conquistas da humanidade e ajudam a controlar ou erradicar doenças que matavam grande quantidade de pessoas.

Várias doenças foram controladas com o uso da vacinação, pois ocorreu uma redução muito grande do número de casos.

É importante salientar que embora o maior número de vacinas esteja previsto para utilização na infância, existem muitas vacinas que devem ser utilizadas na vida adulta, cuja indicação vai depender da história vacinal do adulto (vacinas utilizadas na infância e adolescência), das doenças que o adulto teve durante sua vida, sua saúde e a situação epidemiológica local, além de vacinas indicadas em conformidade com a ocupação profissional das pessoas e também em casos de viajantes.

Algumas vacinas, como contra o tétano e a difteria, necessitam de reforço a cada 10 anos. Outras, contra tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola); hepatite A e B; meningococo B e A,C,W,Y; influenza (gripe); HPV e pneumocócica podem e devem ser utilizadas no adulto como vacinação primária ou reforço.

Os adultos e principalmente os homens comparecem menos aos chamados para vacinação. Existem vários exemplos de baixas coberturas vacinais em campanhas dirigidas aos adultos. Isso ocorre pela impressão das pessoas de que vacina é coisa de criança e, na é verdade, não é. Alguns adultos, por sua condição de saúde ou exposição, precisam tanto de vacina quanto as crianças.

A vacinação pode e deve ser realizada durante todo o ano e também durante as campanhas. Existem várias fontes de informação sobre vacinas. O Ministério da Saúde disponibiliza o Calendário Vacinal do Programa Nacional de Imunização na sua página na internet (www.saude.gov.br), a Sociedade Brasileira de Imunização disponibiliza seus calendários vacinais, inclusive ocupacionais (www.sbim.org.br) e a Sociedade Brasileira de Pediatria (www.sbp.com.br) também faz o mesmo.

A CdVac, centro de vacinas em Piracicaba, faz esta orientação, avaliando o calendário vacinal e ajustando necessidades, em conformidade com as Sociedades referidas acima.

- Algumas pessoas deixam de tomar vacinas com medos de possíveis reações. Quais são suas orientações neste sentido?


A pessoa sempre deve ter em mente que a opção de não tomar vacina expõe a mesma a estar sujeita a ter a doença que a protegeria no caso se recebesse a vacina. Existem doenças que a única prevenção existente é a vacina.

O indivíduo, adulto ou criança, para receber a vacina, deve estar em boas condições de saúde para receber a imunização. Na dúvida, o médico sempre deve ser consultado para a orientação mais adequada naquele momento.

Na verdade, são poucas as contraindicações para vacinas:

• Falsas contraindicações: resfriados, tosse, diarreia, jejum, uso de antibióticos, alergias, etc.

• Reais contraindicações: doenças febris agudas, reação anafilática a um dos componentes da vacina, raras doenças neurológicas.

• Algumas vacinas são contraindicadas para pacientes gestantes e imunodeprimidos.

- Quando pulamos o período de vacinação, como devemos proceder?

Normalmente a imunização vacinal para uma determinada vacina se completa com o esquema total de doses indicadas para ela, em conformidade com trabalhos na literatura médica, que evidenciam a melhor imunização para uma vacina específica. Há que se lembrar de que a não imunização completa expõe a pessoa, adulto ou criança, à doença para a qual a vacina estaria indicada.

Todas as situações em que ocorre falha ou lacuna no esquema de vacinação, devem ser analisados individualmente, avaliando qual a vacina, tempo que recebeu a última dose, idade atual da pessoa em relação à vacina que deixou de tomar e às indicações dos calendários vacinais.

Sobre CdVac

A Clínica de Vacinação (CdVac) é um moderno centro de imunização e vacinação fundado em 2016 com a missão de tornar acessível a prevenção de alta qualidade a qualquer pessoa.



Av. Independência, 1432 - Piracicaba/SP. Entrada independente pela rua Riachuelo.
Fone: (19) 3426-4000
Whatsapp: (19) 99995-3322

Lana Ludmila Santana Couto Alvarez*

Chegou o mês de junho e, com ele, tantas festas e comidinhas gostosas! Que tal aproveitar este clima e preparar algumas atividades temáticas para os pequenos em sua própria casa?

É no brincar que a criança se desenvolve, você sabia? Nada melhor que estimular este crescimento com brincadeiras divertidas!

Trouxe duas dicas super interessantes para a criançada, usando milho de pipoca cru e estourado! Vamos brincar juntos?

DICA 1: COLAGEM 



Você vai precisar apenas de um pedaço de papelão, tesoura, cola e pipoca! Veja como é simples e bacana:

1) Estoure o milho de pipoca e reserve uma pequena quantidade para brincar com o seu filho.

2) Recorte o papelão em formato de um tronco de árvore.

3) Coloque um pouco de cola branca em um potinho e explique a brincadeira para a sua criança.

4) Permita que seu filho desperte sua curiosidade e sua criatividade passando cola em cada pipoca e completando o desenho da forma que desejar!

DICA 2: COORDENAÇÃO MOTORA FINA 



A segunda atividade que trouxe para vocês hoje ajuda no desenvolvimento da coordenação motora fina. Você vai precisar de argila, tinta amarela, papel EVA na cor verde, uma caneta e milho de pipoca.

Veja como fazer:

1) Vamos desenhar e recortar as folhas do milho no EVA verde.

2) Modele o milho na argila e faça furinhos no molde com a parte de trás de uma caneta (deixe o molde secando por 24h).

3) No dia seguinte, pinte o molde na cor amarela.

4) Pronto, agora entregue o milho de pipoca para a criança encaixar nos furinhos feitos na argila!

Atenção, papais! Fiquem atentos e sempre observem as crianças brincando para que não aconteça nenhum acidente. Não é porque eles adoram colocar coisas pequenas na boca que vamos proibi-los de brincar, não é mesmo?

Estas atividades são recomendadas para crianças a partir de 24 meses. Promova o desenvolvimento saudável do seu filho com nossas dicas!

Um beijo grande. 

*Lana Ludmila Santana Couto Alvarez é mãe da Marília, de 3 aninhos. Fascinada por trabalhos manuais infantis. Sócia na Brincadeiroteca - Espaço Lúdico para desenvolvimento de mentes criativas em Piracicaba.





Quando nos demos conta de que 30 de maio era o Dia do Decorador, logo pensamos nas amigas Camila Giannetti e Juliana Bortoletto, da Quattro Interiores, que têm desenvolvido um lindo trabalho aqui em Piracicaba.

Questionamos quais são as principais tendências no que diz respeito à decoração de quartos infantis, mas, nos deparamos também com a história de amizade entre as duas sócias – o que não poderíamos deixar de registrar aqui... Pois, esta história, com certeza justifica um pouquinho do amor e da dedicação que elas colocam nos trabalhos que realizam!

Camila e Juliana se conheceram na faculdade de Administração em 1996, fizeram outros cursos juntas e, desde então, mantêm a amizade. Hoje, ambas têm filhos com idades próximas e, também por isso, as famílias estão sempre unidas!

A partir de uma grande amizade, aliada à paixão pela decoração, Camila e Juliana criaram a Quattro Interiores - Designers de interiores, que planeja espaços que alinham equilíbrio, conforto, sofisticação e funcionalidade.

Tendências para decoração

Hoje a tendência é buscar a harmonia entre o estilo moderno e clássico. “Cores neutras e cinza estão dando espaço para o bege e muita madeira. E finalizamos com objetos coloridos para aquecer o ambiente. Nossos projetos sempre buscam aproveitar os móveis e os objetos de qualidade dos clientes na composição dos ambientes que estão sendo projetados”, explicam Camila e Juliana.

A título de exemplo, as sócias apresentam o quarto de uma menina de 6 anos. “Usamos o vermelho que é a paixão dela! E por ser uma menina antenada e descolada, fizemos um quarto mais ousado. Também pensando na funcionalidade, foi projetado um cantinho de leitura, cama adicional para as amigas e ainda escrivaninha para as tarefas escolares”, contam as sócias.






No exemplo seguinte, é apresentado um quarto para um menino de 6 anos que curte muito os vingadores, especificamente o Capitão América.




Sobre a Quattro

Juliana é mãe do Frederico (5), da Rafaela (7) e da Daniella (9). Camila é mãe da Valentina (9), da Betina (7) e da Lorenza (5).

Foi, inclusive, dessa ligação entre as amigas e, também, os filhos delas, que surgiu o nome da empresa. “Queríamos um nome que tivesse algo em comum com nós duas. E como nós duas já tínhamos três filhos, brincamos que este seria nosso quarto filho... Assim surgiu a Quattro Interiores”, conta Camila. 



“No passado, ambas trabalhávamos na área financeira, mas não juntas... Depois, parei um tempo para me dedicar mais às crianças. Quando achei que estava na hora de voltar a trabalhar, quis fazer o que eu realmente gostava. Procurei então fazer um curso de Design de Interiores e comentei com a Ju que também sempre gostou de decoração e design... Fizemos então mais um curso juntas e começamos esta parceria”, relata Camila.

A Quatro Interiores planeja e projeta os ambientes pensando na funcionalidade, na ergonomia, na circulação e na beleza. Todos os detalhes dos projetos são pensados considerando os gostos e os desejos do cliente, respeitando e adequando com o estilo de vida da família.

Se você está precisando decorar ou redecorar sua casa, vale a pena conversar com elas!

Contatos

Camila Giannetti: (19) 997912110 / camila@quattrointeriores.com.br

Juliana Bortoletto: (19) 981774013  / juliana@quattrointeriores.com.br

Instagram: @quattro__interiores


Alessandra Netti, psicóloga e neuropsicóloga 













Acho esse tema muito importante para as mamães, pois muitas se queixam que seus filhos não prestam atenção quando elas falam e prestam muuuuita atenção em seus jogos e/ou filme preferido.

A professora diz que não prestam atenção mas ficam muito atentos a tudo no intervalo com os amigos.

Então como funciona isso tudo dentro do cérebro? 



A primeira coisa importante a saber é que ela é flutuante. Em todos nós isso acontece.

A segunda coisa é que, inevitavelmente, ela está vinculada ao interesse pessoal.

E aí você me pergunta, então como fazer com que nossas crianças se atentem para as coisas em que não existe interesse? E são tantas coisas, né?!

Em casa, acredito que, apesar de ser cansativo, precisamos desenvolver o hábito de conversarmos sobre as coisas que estão acontecendo no dia-a-dia.

E na escola, cabe ao professor e ao sistema de ensino, atualizar e criar novas situações para atrair as crianças. Lembrando sempre que a afetividade vai ganhar em primeiro lugar no tempo e no espaço, em se tratando de prender a atenção das crianças.

Mas pensando didaticamente, temos 4 tipos de atenção:

SELETIVIDADE – é quando a gente consegue selecionar um estímulo abrindo mão de outros. Por exemplo, quando a professora vai começar a explicar algo novo. Ela primeiro precisa fazer com que as crianças tenham a imagem dela como figura principal.

Depois vem a SUSTENTAÇÃO – que é a capacidade de sustentar a atenção em um mesmo estímulo. Por exemplo, quando nossas crianças estão jogando e a gente chama, e quase morre de chamar e depois de um tempão eles falam: Oi!! Chamou??!! A gente quase endoidece né!? Pois, é, essa é a capacidade de focar e sustentar a atenção em um único estímulo.

ALTERNÂNCIA – é a capacidade de mudar o foco para diferentes estímulos. É o que nossas crianças andam fazendo atualmente e sem medida. Mas mesmo nós mães, desenvolvemos belamente, esse tipo atencional, pois fazemos várias coisas e mudamos rapidamente a atenção para conseguir atender a todas as necessidades do nosso dia.

E finalizamos com a DIVISÃO – que é a capacidade de focar em dois estímulos simultaneamente. Como estudar e escutar música. Para algumas crianças não trará prejuízo mas para outras poderá cair o rendimento. Mas vale lembrar que nem toda criança vai ter prejuízo no rendimento se fizer a lição de casa escutando música. Isso é possível, pois a atenção está acontecendo por vias diferentes, uma é atenção visual (tarefa) e outra é auditiva (música).

Hoje, aprendemos um pouquinho sobre a ATENÇÃO e suas variações!

Até a próxima!!