Esporte na infância: o incentivo saudável por parte dos pais



A prática de esportes ou de qualquer atividade física é super-recomendada por especialistas, já que estimula o desenvolvimento do corpo e da mente da criança.

O incentivo, é claro, deve vir por parte dos pais, mas de forma saudável. O mais importante de tudo é manter o esporte como forma de ocupação e desenvolvimento da criança. Se ela vai (ou não) se destacar na sua modalidade, só o tempo poderá dizer!

É fundamental também que a criança esteja fazendo aquilo que goste! Não adianta querer “forçar” o filho a jogar futebol, por exemplo, se ele tem interesse por vôlei. Os pais devem mostrar as alternativas às crianças e elas, certamente, de uma maneira ou de outra, saberão demonstrar o que desejam fazer naquele momento.

Apoio dos pais


Graciette Camattari Simioni, 37 anos, é mãe do João Pedro Camattari Simioni, um piloto de kart de apenas 8 anos, aqui de Piracicaba.

JP – como Graciette costuma chamá-lo – ama o que faz, é superdedicado e, claro, recebe todo o apoio dos pais. “No final de 2014, quando o JP tinha 6 anos, começamos a frequentar algumas corridas de kart, como espectadores mesmo. E, em fevereiro de 2015, o matriculamos em uma escola de pilotagem em São Paulo. E a partir de então, o gosto se desenvolveu com uma constante busca pela autossuperação dele”, comenta a mãe.

“A busca pelo lugar mais alto do pódio e a adrenalina da competição alimentam o interesse e a dedicação do piloto. Nós, como pais, temos que apoiar, e coordenar essa motivação, pois, devido à idade, o interesse sofre muitos altos e baixos. O apoio vem com a torcida, e a plenitude de recursos... E a coordenação vem com a disciplina dos pais e do próprio piloto. E o amor dos pais prevalece, claro, qualquer que seja o resultado”, acrescenta Graciette.

Alessandra Netti, psicóloga e neuropsicóloga, destaca que, diante do olhar da psicologia do desenvolvimento, é importante que os pais estejam sempre atentos às atitudes dos filhos que já praticam um esporte durante treinos e competições. “Os pais devem mesmo apoiar o filho qualquer que seja o resultado! Coordenar a motivação da criança também é fundamental, pois ela ainda está aprendendo a lidar com tudo isso”, comenta.

Rotina de treinos


Graciette conta que às quintas-feiras, JP sai às 6 horas da manhã com pai, e vão para a granja, para treinar. “Depois, pego meu filho na Bandeirantes, para, de lá, meu marido seguir para Jundiaí, que é onde ele tem o escritório. Eu e o JP voltamos para casa, chegamos por volta das 11h30, para que ele almoce, tome banho e vá para o colégio à tarde. Aos sábados, JP e o pai também costumam sair de casa às 6h da manhã e vão treinar. Aí ficam mais à vontade, sem ter tanta hora pra voltar. Tem sábado que eles ficam lá, quando tem treino de manhã e à tarde, mas geralmente o treino é de manhã, aí eles voltam para casa por volta das 13h, para almoçarmos juntos”, diz.

Neste contexto, Alessandra lembra da importância de sempre respeitar os limites da criança – independentemente de qual esporte ela pratique. “Pois crianças atletas têm dupla jornada e é preciso cuidar para os excessos não fugirem da medida certa”, destaca. “Criança precisa estudar, treinar se forem atletas, além de brincar muito! É sempre bom lembrar que o brincar dará sustentação para as crianças serem adultos sadios e prósperos”, acrescenta.

Futura profissão?


Foto: Acervo pessoal

Questionada sobre isso, Graciette responde que acredita que, talvez, o kartismo venha a ser um dia a profissão do JP. “Porque qualquer atividade pode se tornar uma profissão de sucesso, desde que realizada com prazer e seriedade. Mas, no momento, estamos focando apenas em sua formação como esportista mesmo”, diz.

Benefícios

Graciette destaca que a prática do kartismo ensina valores de competitividade, respeito pelos adversários, regulamentos, disciplina com os treinos, além de desenvolver as atividades motoras e o reflexo. “É um esporte muito exigente”, diz.

A entrevista com a Graciette fica como uma história de motivação, de apoio vindo dos pais para com seus filhos – o que é superválido, independentemente do esporte, da atividade que a criança escolha fazer. 

Afinal, a meu ver, é muito importante incentivarmos nossos filhos a se exercitarem, a praticarem uma atividade – qualquer uma que ele goste –, a terem um hobby... Enfim, tudo que é feito com prazer tende a render ótimos frutos!


Para quem quiser acompanhar mais sobre as atividades do João Pedro, ele tem uma página no Facebook: JPSimioni21 https://www.facebook.com/JPSimioni21/?fref=ts .