Como lidar com a timidez de nossos filhos

Foto: Shutterstock

Quando nossos filhos começam a crescer, naturalmente surgem dúvidas de como agir em algumas situações. E a timidez, certamente, é uma delas.

É muito natural que as crianças tenham comportamentos diferentes umas das outras; e algumas podem, sim, se desenvolver de uma maneira mais introspectiva, mais tímida... E é sobre esse assunto que quero falar com vocês, por julgar ser um tema muito presente na nossa vida de pais! 

É fácil notar quando nossos filhos apresentam problemas para se relacionar com seus coleguinhas na escola, quando pedimos para cumprimentar alguém e isso gera um desconforto etc... Enfim, é notável. E são nesses detalhes de comportamento que devemos estar atentos no dia a dia. 

Primeiramente é bom lembrar que cada criança é única. Cada uma tem o seu jeito de ser. Pode ser que tenhamos, por exemplo, um filho superdescontraído, falante, sociável; e um outro mais quieto, reservado... E isso diz respeito às particularidades de cada um, não sendo necessariamente motivo de preocupação. O problema acontece quando certas situações (comuns em nosso dia a dia) causam grande desconforto e até certo sofrimento a nossos filhos.

Muitas vezes, diante dessas atitudes, acabamos nomeando-as de tímidas ou de “mais quietas”, às vezes disparamos “ah ela é muito envergonhada”... E, assim involuntariamente, estamos “rotulando nossos filhos”. O que não é legal! Mas, reconhecermos a timidez em nossos filhos e, a partir daí, começarmos a agir, isso sim faz toda a diferença!

Momento de agir

Devemos entender também que, o fato de a criança estar mais introspectiva neste momento, não significa que ela será para sempre assim. Acredito, então, que a gente possa e deva trabalhar nisso juntamente com a criança, o quanto antes... Pois, assim, existirá um longo caminho a ser percorrido, e que ajudará a criança a superar esses “bloqueios”. Cada dia é um desafio e é nessa caminhada e nesses desafios que vamos ultrapassando as barreiras!

Penso, sobretudo, que ajudar a criança a lidar com esses bloqueios relacionados à timidez desde cedo é muito importante para que ela tenha um crescimento saudável e se torne um adulto mais confiante, mais social etc.

A nossa presença, afinal, é de extrema importância. Mostrar para a criança que estamos lá, do seu lado, para que ela explore, sim, coisas novas, é essencial para passar segurança!

Superando desafios

A cada dia em que “superamos algo”, temos uma vitória; e cabe a nós, pais, apontar e mostrar para a criança cada conquista dela, para que ela vá criando uma facilidade maior para executar e descobrir atitudes novas. (Acredito que fazer com que ela consiga notar suas vitórias é um dos processos mais importantes dessa caminhada... Temos que apontar tais vitórias, por mais pequenas que elas possam parecer).

Se tornarmos um hábito propor novos desafios, estimular a criança para o próximo passo e mostrar o que ela fez (e que antes era tão difícil), vamos estimular que ela comece (cada vez mais) a se desprender! 

Foto: Reprodução

Respeitando o tempo da criança

Mas, não devemos esquecer que nossos filhos têm seu próprio momento, nunca devemos forçá-los a fazer algo. Esses desafios vão acontecendo naturalmente, para que a criança entenda que não é um sacrifício fazer as coisas de outra maneira. 

Trabalhando esse processo continuamente não deixamos essa timidez sem ser provocada. Se insistirmos, de uma maneira leve, as coisas vão acontecendo. Tudo que caminha com a criança, ela tende a aprender... Não devemos forçar, mas devemos, sim, estimular novas atitudes, novos comportamentos, para que ela descubra, no seu tempo, como fazer de outro jeito. 

Às vezes acabamos comparando nossos filhos com outras crianças: “olha como ela faz, ela não tem vergonha”, “está vendo... ela fala ‘bom dia’”, “o amiguinho sabe falar ‘oi’” etc. E fazemos isso “na melhor das intenções”, mas acabamos errando feio com essa atitude. Pois, cada criança tem sua essência, sua personalidade e seu tempo, então, o desafio é de cada uma! 

Mas é fato que quanto mais cedo trabalharmos essa desenvoltura, melhor será para o crescimento de nossos filhos. Claro que, algumas vezes, a criança demora mais para construir essa comunicação com mais facilidade; e isso também é normal. Devemos respeitar o tempo dela!

Penso que, enquanto pais, podemos contribuir muito na superação desses “bloqueios” da criança relacionados à timidez; mas não devemos hesitar em procurar ajuda profissional se percebermos ser necessário. Uma psicóloga/terapeuta ajudará a criança a identificar seus medos e a superá-los, tornando-se mais aberta à socialização e ao aprendizado de uma forma geral.