8 coisas que temos que ensinar diariamente aos nossos filhos


Foto: Reprodução

É fato que as crianças aprendem sobre as “boas regras” de convivência sobretudo com os pais! Atitudes como dizer “obrigado” e “por favor”, não mexer nas coisas de outras pessoas, respeitar o próximo etc. são condutas que elas vão aprendendo aos poucos e que, sim, podem ser incentivadas! 

Confira algumas dicas simples de como reforçar alguns dos principais “mandamentos de boas maneiras”:

1. "Por favor"

Além de ensinar isso diretamente para a criança (“olha, sempre que você for pedir algo para outra pessoa, independentemente de quem seja, deve dizer ‘por favor’”), os pais precisam dar o exemplo! Ou seja, é fundamental que nossos filhos escutem diariamente esse termo dentro e fora de casa! Se esse é um hábito diário entre os adultos, com certeza as crianças aprenderão com muito mais facilidade!

2. Emprestar o brinquedo

É claro que este é um processo e, em determinadas fases, provavelmente a criança terá dificuldades em entregar algo que é dela para outra pessoa, pois ainda não tem aquela compreensão de que “o que é emprestado será devolvido”. Mas, uma dica é sempre ir explicando isso aos poucos para a criança... 

Ter à mão alguns objetos repetidos (mais de uma bola, mais de um carrinho, mais de uma boneca etc.) também é uma boa ideia, especialmente quando vocês estiverem em um local com várias crianças... Assim você pode dizer a ela “você brinca com a boneca de roupa rosa enquanto a amiguinha brinca com esta, e depois vocês trocam, ok?” etc.

3. Agradecer 

A criança ganhou um presente?! Deve agradecer! Para isso, é importante ir explicando sempre a ela que aquela pessoa (que deu o presente) se importou com ela e, por isso, merece um agradecimento. O mesmo vale para quando receber um elogio, ou até mesmo receber de outra criança um brinquedo emprestado etc. 


4. “Desculpa”

Não é simplesmente ensinar a palavra para a criança, é preciso explicar o motivo de ela pedir desculpas. 

Claro que é preciso considerar a idade da criança, pois o pedido também está relacionado à aquisição do senso moral. Mas, por exemplo, se o seu filho de 3 anos empurrou um amigo, o ideal é explicar na hora que “aquilo não é certo” e incentivá-los a fazer as pazes, em primeiro lugar com o pedido de desculpas.

Com o passar dos anos, a criança começa a compreender melhor o sentido de “certo e errado” e, então, é cabível uma explicação “mais longa”, falando que não é legal fazer com os outros aquilo que não gostamos que façam com a gente etc. 

5. Não interromper os adultos enquanto eles conversam

Especialmente as crianças com menos de 3 anos tendem a interromper os adultos enquanto eles conversam. Este é um comportamento normal, mas que deve começar a ser corrigido, claro que com paciência. 

Se você está em uma festa, por exemplo, e seu filho chega querendo sua atenção, peça com calma para que ele “espere um pouco” e que deixe as outras pessoas da roda falarem.

Caso a criança seja um pouco maior, com mais de 4 anos, já é mais fácil explicar a situação e dizer que “quando duas ou mais pessoas conversam, cada uma tem sua vez para falar, então, que é preciso esperar”.

Mas, vale lembrar: assim como toda regra de convívio social, esse ensinamento deverá ser repetido mais de uma vez!

6. Não abrir a geladeira alheia

É importante reforçar a ideia de “nossa casa” e “casa dos outros”, exatamente para que a criança entenda que não pode mexer no que não é dela. Vale reforçar sempre que, “quando estamos fora de casa, precisamos pedir quando desejamos alguma coisa”. 

7. Respeitar os mais velhos

Isso deve ser ensinado no dia a dia. Por exemplo: “filho, o vovô adora ficar com você, mas o jeito dele brincar é diferente do dos amiguinhos da escola”; “filho, o vovô não vai brincar de correr com você, mas é uma pessoa muito experiente, então tem muitas histórias boas para te contar” etc.

Mas o respeito a outros adultos, sem ser os mais próximos (da família), também deve ser estimulado. E, claro, dar o exemplo é fundamental: não adianta exigirmos que nossos filhos tratem bem os mais velhos se nós mesmos “não damos lugar para um idoso sentar” ou “reclamamos quando passam na nossa frente em uma fila” etc.

8. Esperar

Saber esperar é um hábito que também precisa ser estimulado! Seja na fila do parque, na sala de espera do consultório médico ou até mesmo para fazer alguma atividade em casa... É comum ver uma criança inquieta, e temos que ter paciência, exatamente para darmos o exemplo e para que, aos poucos, ela também aprenda a ser mais paciente. 

Algumas dicas práticas também ajudam neste sentido: quebrou ou perdeu um brinquedo? Não precisamos comprar outro imediatamente... Que tal pedir para ela “esperar o Papai Noel trazer no Natal”?!

Em situações em que “a espera é inevitável” (como num consultório médico, no aeroporto etc.), procure sempre ter na bolsa um brinquedo, um livro ou, dependendo do horário, algo para comer ou beber. 

Num restaurante, por exemplo, vale explicar (de um jeito que a criança entenda) como se dá o processo de preparação de um alimento, do cuidado e do tempo que é necessário para preparar aquilo que comemos, mostrar que outras pessoas do restaurante também estão esperando seus prato serem preparados etc. 

E claro, vale sempre repetir (mesmo para as crianças mais novas) que “tudo tem a sua hora”!


Paciência, boa vontade e compreensão são essenciais para ensinarmos as principais “regras de convivência” para as crianças, além, é claro, de nos policiarmos e “sermos exemplos” sempre: se queremos filhos educados e gentis, temos que ser adultos educados e gentis!