Férias de verão: como garantir a segurança das crianças



Férias escolares, calor... Essa época é muito propícia para viagens ou, simplesmente, para curtir uma piscina com as crianças, não é mesmo? E exatamente por isso é preciso tomar alguns cuidados com a saúde e a segurança dos pequenos para garantir momentos de diversão.

A médica otorrinolaringologista do Ceol Otorrino, Larissa Camargo, explica, por exemplo, que algumas doenças surgem com mais frequência neste período, por isso, os pais devem ficar atentos. “Doenças de pele, micoses, desidratação, intoxicação alimentar, conjuntivite e otite são alguns dos problemas mais comuns durante as férias de verão, justamente porque a criança está mais exposta às características próprias da estação, com calor excessivo e umidade elevada”, afirma. 

Neste contexto, confira alguns cuidados essenciais (mas que, muitas vezes, podem passar despercebidos):

- Evitar a exposição exagerada ao sol: ela pode provocar forte desidratação, causando febre, mal-estar, náuseas e vômitos. “Devemos ainda ofertar água e líquidos em geral mesmo quando a criança não peça”, comenta a média.

- Os pequenos com menos de um ano de idade devem ficar protegidos contra os raios solares especialmente entre 10h e 16h. 

- Outra “surpresa desagradável” que pode surgir durante as férias de verão é a intoxicação alimentar. Por isso, é fundamental ter os alimentos bem refrigerados. “O ideal é sempre nos atentarmos para locais de consumo e evitar alimentos vendidos na praia, onde desconhecemos a higiene e refrigeração”, diz Larissa.

- Como as altas temperaturas do verão são aliadas a mergulhos constantes no mar ou na piscina, as crianças estão sujeitas a outro problema bastante comum nesta época: otite externa. A infecção, que acomete a parte exterior do ouvido, altera a proteção natural do conduto, favorecendo a proliferação de bactérias e fungos. “As otites estão relacionadas à exposição prolongada de ambientes úmidos e à manipulação do conduto com hastes flexíveis”, explica Larissa. Os sinais clínicos da otite externa são: coceiras, presença de líquido de odor forte no conduto, dor ao toque, vermelhidão e sensação de ouvido tampado. O tratamento, segundo a médica, é evitar exposição a ambientes úmidos por 7 a 10 dias, além do uso de medicamentos (indicados pelo médico). 

É preciso ainda atenção extra com as crianças na piscina e no mar! Ou seja, com cuidados simples, mas essenciais, garantimos um período de muita diversão para os pequenos e toda a família!