Ciúmes do novo irmão: 5 dicas simples para lidar com a situação



A espera de um bebê é sempre motivo de muita alegria para toda a família. Porém, quando já se tem um pequeno em casa, pode também se tornar um motivo de preocupação... Isso porque, nem sempre o primogênito aceita esse presente com muita alegria inicialmente.

Alguns primogênitos passam a se sentir inseguros e com medo quando recebem a notícia e/ou quando o novo irmão nasce. E isso pode gerar um sentimento que talvez a criança nunca tenha tido e que provavelmente ela nem sabe o que significa ao certo: o ciúme.

A demonstração de ciúme pode variar: é comum aparecem, por exemplo, reações agressivas em relação ao bebê, desobediência, episódios de choros sem motivo, birras e até regressão em alguns comportamentos (como querer usar a chupeta, mamadeira ou ter que usar fralda novamente e ter fala mais infantilizada). 

A verdade é que esses comportamentos têm um único objetivo: chamar a atenção da família – que o primogênito acredita estar preocupada somente com o novo membro.

A situação, por mais difícil que pareça, é natural e deve ser trabalhada normalmente no dia a dia, com muita conversa e compreensão. Afinal, a chegada de mais um membro na família pode parecer, para o primogênito, uma ameaça, significando que ele vai “perder o amor e o carinho de seus pais”. 

Assim, ele entende que o ato de se jogar no shopping, beliscar o irmão ou dar um escândalo na frente das visitas acaba resultando na atenção que ele espera (só que de forma negativa).

Neste contexto, como ajudar a criança? Confira algumas dicas simples, mas que fazem a diferença:

1º - Não espere que a criança tenha comportamentos inadequados para prestar atenção nela. Por mais cansativo que esteja sua rotina, divida seu tempo entre os cuidados com o mais novo e o mais velho. Quando a mãe está com o mais novo, por exemplo, é importante o pai estar com o mais velho, e vice-versa.

2º - Envolva a criança nos cuidados com o bebê, respeitando, é claro, suas limitações. Peça para ele, por exemplo, pegar a fralda na gaveta, limpar a boquinha do irmãozinho, entre outras coisas fáceis.

3º - Elogie sempre os bons comportamentos (em vez de ficar só repreendendo os negativos). Abrace seu filho e mostre alegria por ele ter se comportado bem, ter tido demonstrações de carinho com o irmão mais novo etc.

4º - Quando a criança tiver um comportamento inadequado, não se exalte, pois
quanto mais importância você der para aquela ação, mais fará parecer que aquilo “está
fazendo sucesso”. Tente se mostrar indiferente ou corrija “com calma”, sem grandes manifestações.

5º - Converse sobre o assunto com a criança... Não “finja que você não percebeu” o que está acontecendo... Incentive-a a falar como está se sentindo, e deixe claro o quanto ela é amada e que existe espaço suficiente no seu coração para os dois filhos (e até outros que virão, se for o caso).

Enfim, quem já passou por isso, sabe que não é uma tarefa simples, na prática. No
entanto, podemos, sim, ajudar os pequenos a lidarem com esse sentimento tão
novo e conflitante. O fundamental é criar um ambiente de cumplicidade e aconchego, onde
a criança se sinta segura e possa participar da novidade com alegria!