“Meu filho é agressivo”, o que fazer?



Já vi algumas mães comentando “meu filho está cada vez mais agressivo, não sei o que fazer”, e acredito que esta seja uma questão bastante delicada dentro de cada família, por isso resolvi pesquisar mais sobre o assunto e compartilhar o que descobri e o que penso com vocês!

Antes de pensar em “soluções para lidar com a criança agressiva”, é preciso entender por que isso acontece. Em primeiro lugar, é preciso lembrar que as crianças estão num processo intenso de aprendizado: estão conhecendo o “não”, suas próprias emoções, como lidar com a presença do outro e muito mais.

Aprender tudo isso faz parte, é saudável, porém, muitas vezes, esse processo de aprendizado traz consigo a raiva/a agressividade, como uma forma de a criança comunicar certo “desconforto”, medos ou dúvidas em relação a tudo que se está aprendendo. 

É preciso ter consciência de que a agressividade NÃO É INTENCIONAL (especialmente nas crianças menores), é apenas uma resposta a um desconforto, a um medo ou dúvida.

O problema é que nós, adultos/pais, muitas vezes chegamos a ficar assustados com essa criança, concluindo que, ou ela está com algum problema, ou que a agressividade é uma característica dela.

E tudo tende a piorar se os pais começam a dizer para quem quiser ouvir: “meu filho é agressivo”, “não sei mais o que fazer com meu filho agressivo”... Porque, a partir daí, cria-se um rótulo, o qual a criança ainda não saber “contestar”. Então, essa criança, em formação, começa a entender “então é isso... eu sou agressivo”.

Então, a dica fundamental é: entender que A AGRESSIVIDADE NÃO É UMA CARACTERÍSTICA DA CRIANÇA, não deve ser encarada deste jeito, mas está inserida dentro do processo de aprendizagem! Ou seja, nunca dizer “meu filho não é agressivo”, mas, sim, “ele está agressivo”. 

A partir do momento que você olha seu filho com este entendimento, fica mais fácil lidar com as “crises de agressão” – que, é claro, não devem ser vistas como “normais”, mas entendidas para, a partir daí, serem “tratadas” com muito amor e firmeza por parte dos pais.

Por que a agressividade surge? 

Talvez você nunca tenha parado para pensar nisso, mas a agressividade é, na maioria das vezes, UMA RESPOSTA À NOSSA IMENSA DIFICULDADE (ENQUANTO PAIS) DE DIZER “NÃO”!

Se nunca dizemos “não”, “não colocamos limites”, não explicamos “o porquê do não”, a criança tende a lidar muito mal com ele quando ele aparece!

É neste momento que ela tem explosões de raiva, porque ela está acostumada com o “sim”, com o “poder” e o “ter na hora”. E quando algo não acontece como ela espera, vem a crise, com choro, gritos e muita fúria.

Ou seja, a reação de fúria exagerada vem de uma criança que não está aprendendo sobre “os não’s” e o processo de frustração em si com as pequenas coisas.

Como lidar?

Na hora que a criança entra neste “estado agressivo”, (vale lembrar: ela não É agressiva, mas ESTÁ agressiva), o adulto não deve reagir com medo e muito menos com (mais) fúria.

A conduta precisa ser mais tranquila: “olha filho(a), assim a gente não vai conseguir continuar nem a nossa conversa! Você se acalma e a gente continua depois, ok?...”.

Porque a partir do momento que nós, pais, nos vemos assustados ou até agressivos, essa criança tende a ficar também com medo... Sente-se “perdida” porque nos vê “perdidos”! E nós, pais, temos que ser “norte”, temos que ser segurança, ensinar, mostrar o certo e o errado (e não demonstrarmos medo com a atitude de nossos filhos)!

Então, se você está passando por isso, pare para refletir: os momentos de agressividade geralmente vêm seguidos de uma negativa, de um momento de frustração, não é mesmo?

Reflita mais um pouco: será que seu filho está tendo oportunidade de lidar com os “não’s”?!

Esta é “apenas” mais uma situação, dentro do universo da maternidade, com a qual temos que lidar com força, amor, firmeza, respeito e entendimento!