Experimento destaca a importância das palavras positivas



Esta semana vi uma reportagem muito interessante aqui na internet, que me chamou muito a atenção e, por isso, achei que deveria compartilhar com vocês! Mostrava uma “experiência” feita em uma escola de Curitiba: 2 frascos que tinham a mesma quantidade de arroz cozido foram vedados por 60 dias e armazenados no mesmo local... A única diferença entre eles foram as palavras que foram direcionadas a cada um dos frascos.

Para um deles, os alunos disseram coisas como: “você não consegue”, “seu feio”, “seu burro”, “não sou mais seu amigo”...

Para o outro frasco, foram incentivados a dizer: “eu gosto de você”, “você é um anjo”, “você consegue”, “eu sou seu amigo”...

O mais impressionante é que o arroz dentro do frasco que recebeu as palavras negativas apodreceu; já o vidro com as palavras positivas conservou o arroz!

O objetivo do experimento não foi entender exatamente o que aconteceu com o arroz, mas, sim, se aproveitar da importante mensagem que conseguiu transmitir!

A iniciativa foi de uma professora que notou que, em determinada faixa etária, os alunos acabam gerando certo “conflito de gênero” – quando meninas não querem mais ser amigas dos meninos e vice-versa. E, muitas vezes, por isso, acabam se ofendendo (“você é um chato”, “você é um burro”, “você não é capaz” etc.).

Esses comportamentos entre as crianças acabaram acendendo na professora uma questão para poder trabalhar com eles: de que as palavras que lançam uns contra os outros, e até mesmo para si, têm bastante interferência na vida de cada um deles.

O resultado, segundo a professora, já serviu para melhorar o comportamento das crianças, que têm tomado mais cuidado em relação às coisas que falam uns para os outros e, também, sobre o que falam deles mesmos.

Entenderam que sempre é melhor falar coisas boas um para os outros; pois,falar coisas ruins magoa, interfere diretamente (e negativamente) na vida do outro.

É muito importante pensar que é na idade escolar que as crianças começam a desenvolver as principais características que vão acompanha-las pelo resto da vida. Não por acaso, os neurologistas costumam dizer que o cérebro de uma criança funciona como “uma esponjinha”, pois “tudo que é apresentado, é absorvido”!

Então, que sejam apresentadas coisas boas, né?! 



É muito importante ensinarmos nossos filhos a tratarem as outras crianças bem, a fazerem amizade, se respeitarem e se elogiarem! E, claro, evitarem as palavras negativas quando se referirem ou se direcionarem ao próximo!