O remédio de cada dia, por Alessandra Netti

Temos tido dias conturbados, muitas coisas a serem feitas e pouco tempo para realizá-las. Temos tido muitas notícias tristes de ordem política, econômica, social e religiosa. Temos visto muitas pessoas adoecidas, desempregadas e abandonadas.

Temos tido mais conflitos e hoje temos mais patologias catalogadas. Temos visto que todos buscam um remédio para todos esses males, na busca para se curarem.

Esses dias uma pessoa muito querida sabiamente comentou sobre o remédio da presença. Buscamos tantas coisas de fora e na maioria das situações o remédio é mais simples do que se imagina.

Na vida das crianças, creio eu, cada dia mais, que a presença firme e amorosa seja o melhor remédio. O melhor remédio para as mães é a alegria e a leveza. Para os pais, a força e a hombridade.

Para os colegas de trabalho, talvez o melhor remédio seja a paciência e a perseverança. Para o companheiro da jornada da vida seja o olhar, sem perder o encantamento e a admiração. Para os momentos de desespero seja a oração. Para a decepção, o silêncio.

Para cada momento da nossa vida precisamos de um remédio diferente. Às vezes o melhor remédio é o próprio caminho, pois não há forças para caminhar, mas não podemos parar. Talvez caiba apenas sorrir e florir, talvez ir além do óbvio e transcender!

Estejamos atentos ao remédio de cada dia. Seja ele o silêncio, a coragem, o enfrentamento, a ternura ou suportar o que não pode ser mudado.

Estejamos atentos a cada manhã para termos a sabedoria de tomarmos o remédio certo para aquele dia.

Às vezes o remédio muda durante o dia, mas, na hora de dormir, que seu remédio seja sempre o da gratidão por mais um dia, tenha sido bom ou difícil, foi o dia possível de ser vivido.

Desejo a você que lê esse texto o remédio da grandiosidade para que busquemos ser grandes internamente e só assim teremos forças para transformar a humanidade.


Por Alessandra Netti, psicóloga e neuropsicóloga