Como desconstruir o mito do “leite fraco”


Embora a maioria das pessoas já saiba que este é um grande mito, algumas mães ainda se preocupam com o assunto, por isso, é sempre válido reforçar alguns pontos: não, não existe “leite fraco”!

O leite materno é o alimento mais completo e nutritivo para o bebê, tanto que exclui até mesmo a necessidade de oferecer água e outros tipos de leites até o bebê completar seis meses! (Qualquer particularidade será orientada pelo médico).

Curiosa sobre a “força” que este mito tem até hoje, quis pesquisar um pouco sobre o assunto. Afinal, de onde e por que surgiu este mito de que existe “leite fraco”?! 

Vale destacar que, quando os europeus chegaram para colonizar o Brasil, a amamentação não era valorizada, e esta era uma prática bem estabelecida entre as índias. As “regras” utilizadas naquela época, sem embasamento nenhum, foram por muito tempo “transmitidas” e, ainda hoje, algumas infelizmente geram dúvidas.

Alguns exemplos: acreditava-se que era preciso determinar horário das mamadas, que era necessário amamentar em ambas as mamas por vez etc. E o pior de tudo: diante do insucesso de amamentação de muitas mulheres na época e, sem explicações para isso, toda “culpa”era da mãe e do “seu leite fraco”.

Dessa maneira, o mito do leite fraco foi enraizado na cultura brasileira e deixou um pouco de sua herança. Porém, nos dias de hoje, existe também uma preocupação crescente por parte dos profissionais da saúde e também dos meios de comunicação em esclarecer as mais variadas questões relacionadas à amamentação e à maternidade de uma forma geral... Com isso, as pessoas estão cada vez mais informadas e vão, ainda que aos poucos, se livrando de mitos como este.

Hoje já se sabe, aliás, que, para a maioria das situações que dificultam uma amamentação, já existe uma solução! Dessa maneira, a tendência é que este e outros mitos relacionados à maternidade percam cada vez mais a força, permitindo que as mulheres vivam esta fase como ela realmente deve ser: de maneira natural, sem grandes “fantasias de que tudo é perfeito”, mas também sem “neuras” e “desinformações”.

Sobre outros mitos

Infelizmente, o mito do “leite fraco” não é o único quando o assunto é amamentação. Abaixo você confere o esclarecimento de outras questões importantes!

- Existem posições “certas” para a amamentação correr bem?

Clery Gallacci, neonatologista do Hospital e Maternidade Santa Joana, destaca que, para amamentar, a mamãe precisa estar simplesmente em uma posição confortável e o bebê deve conseguir abocanhar toda a aréola, fazendo estímulo para a produção do leite.

- Amamentar ajuda a perder peso?

Sim, amamentar costuma ajudar a mulher a retornar ao peso de antes da gravidez. Clery explica que o ato de amamentar estimula a produção de alguns hormônios que incentivam a contração uterina. “Dessa forma, o útero volta mais rapidamente ao tamanho natural no pós-parto. Além disso, o gasto energético que a mãe tem durante a amamentação auxilia na perda de peso”, diz.

- A amamentação prejudica o seio da mulher?

Hoje, já se sabe que, com uma boa preparação e cuidados durante o pré-natal, é possível evitar as lesões nos mamilos. Mas, explica Clery, ainda que isso aconteça, é importante que a mulher vá até um serviço de saúde buscar orientações.

- A fase de amamentação exige higienização específica das mamas?

Clery destaca que a higienização das mamas pode ser feita normalmente durante o banho diário.

- Existem dicas que contribuam para manter a produção de leite?

Sim. As orientações são: manter uma alimentação balanceada, não fazer dieta para redução de peso nesta fase, repousar e amamentar com frequência.