8 sinais de que a criança pode estar precisando de um psicólogo



Um bom acompanhamento psicológico é muito bem-vindo, nas mais diversas fases de nossas vidas. Na vida adulta, temos plena consciência disso. Mas, é claro, na infância, são os pais que precisam estar atentos à criança e, se for o caso, levá-la para um psicólogo.

Por isso, é possível que alguns pais se vejam em dúvida sobre a necessidade (ou não) de levar seus filhos a um psicólogo, pelos mais variados motivos.

Fiquei refletindo então: quando uma mãe deve, de fato, procurar um psicólogo para o filho?

É bom lembrarmos que, diferentemente de nós, adultos, os pequenos ainda não conseguem expressar verbalmente suas frustrações, medos, inseguranças, tristezas... Sendo assim, eles tendem a demonstrar que precisam de ajuda apresentando algumas alterações no comportamento e, às vezes, até desenvolvendo alguns sintomas físicos.

Abaixo você confere alguns sinais que PODEM indicar que a criança esteja precisando de ajuda profissional:

- Ela demonstra tristeza, fica muito quieta, chora mais do que o comum e não parece se divertir com as coisas com que se divertia antes.

- O pequeno está apresentando problemas recorrentes na alimentação (sem vontade de comer, por exemplo), no controle intestinal ou no sono.

- A criança está ficando doente com muita frequência.

- Ela demonstra compulsão pela comida.

- A criança mostra cada vez mais dificuldades de interagir socialmente, tanto com crianças (na escola, por exemplo), como com adultos.

- Ela demonstra-se agressiva, faz birra por tudo, só diz não.

- A criança está agitada demais, inclusive com dificuldades para se concentrar.

- Ela está com dificuldade de aprendizagem ou desinteresse para isso.

Vale destacar que cada caso é único, por isso, não devemos rotular! Alguns destes comportamentos podem ocorrer esporadicamente, e isso não deve ser motivo de grandes preocupações...

Aliás, de toda forma, perceber um ou mais destes comportamentos não significa que seu(ua) filho(a) esteja com um problema grave, mas, pode ser um sinal de que seja interessante procurar ajuda profissional.

Além disso, vale destacar: muitas vezes, quem precisa de atenção são os pais. “Sempre digo que se ‘curarmos’ os pais e principalmente a mãe (pelo tempo que passa com a criança) é meio caminho andado. Os pais devem procurar um psicólogo pois muitas vezes está acontecendo algo no meio familiar, e talvez a criança esteja manifestando o que o adulto disfarça”, finaliza a psicóloga e neuropsicóloga Alessandra Netti.