Respeito e a importância de sermos exemplos



Que o respeito é algo muito bom de se viver, ninguém tem dúvidas! Um lar ou ambiente onde predomina o respeito é cheio de paz, alegrias e reciprocidade!

E o respeito é necessário para qualquer pessoa, em qualquer lugar, mas é interessante pensarmos que, para nós, pais, ele tem valor ainda maior: afinal, somos espelhos para nossos filhos! Se não respeitamos o próximo, como podemos exigir que eles façam isso?

Parece algo tão óbvio, mas muitas vezes, sem nos darmos conta, podemos errar e dar exemplos de “falta de respeito”: por exemplo, no trânsito, com as pessoas que trabalham para nós, com uma atendente de loja ou até mesmo em casa.

Já notei que, quando estou na correria, acabo muitas vezes “estourando” com as crianças e, depois, percebo a Luisa agindo exatamente igual a mim com o irmão... Me vejo nitidamente nos atos da Luisa e isso acaba me deixando muito mal, me sinto culpada. Então eu peço imediatamente para que ela fale baixo com ele, que o trate com respeito porque é mais novinho etc. Mas minha cabeça fica a mil porque percebo que ela repete minhas palavras!

Por isso penso que estarmos atentos a isso é importantíssimo, nos faz crescer e analisar: como estamos cuidando do nosso respeito pelas pessoas? Estamos dando bons exemplos? Como é a relação em casa: todos se respeitam? Afinal, nossos filhos estão vendo tudo e aprendendo conosco.

Claro que nem tudo é perfeito e, em algum momento, a falta de respeito vinda por parte da criança pode surgir em casa, talvez num “mãe, você é chata”, “você é feia” ou, simplesmente, “me passa aquele brinquedo AGORA”...

E como devemos agir? Acredito que o mais importante aqui seja lidar com este episódio, não “deixá-lo passar”... Temos que corrigir a criança todas as vezes que ela se manifestar dessa forma... Afinal, é na constância que se aprende!

E vale refletir sempre: respeito é aprendido no dia a dia, na constância... E não somente os pequenos aprendem... Nós ensinamos e aprendemos com eles e com outras pessoas o tempo todo. Só podemos exigir respeito se respeitarmos!

Como sempre digo: não sou nenhuma especialista no assunto, mas tenho pesquisado sobre e acredito que a gente deva ter “tolerância zero à falta de respeito” em casa. Isso não significa, porém, que cada errinho da criança neste sentido deva gerar uma grande bronca (que pode vir, inclusive, em muitos casos, até carregada de mais falta de respeito)...

Mas devemos nos posicionar de maneira firme, ainda que amorosa: “olha, não fala assim com a mamãe porque eu não gosto”; “não, eu não sou chata e você não deve dizer isso para mim e nem para ninguém, pois não é algo educado”.

Às vezes, a falta de respeito vem num “pedido mais grosseiro”: “mãe, me dá aquele brinquedo agora” ou “pare de conversar e venha aqui agora comigo”...

É momento então de nos posicionarmos (e não ignorarmos, como muitas vezes dá vontade de fazer!), dizendo: “Não entendi o que está me pedindo... Pode fazer isso com mais educação, como te ensinei?” ou ainda, “olha, sei que você está precisando da minha ajuda, mas não é assim, me interrompendo, que você deve dizer isso. Vamos começar de novo?”.

Quanto mais pudermos exercitar esse tipo de posicionamento/diálogo no dia a dia, mas as crianças perceberão a necessidade do respeito! Somado a isso, claro, devem estar os nossos exemplos diários (ou seja, mais um motivo para nos vigiarmos, né?)!