Mudar as crianças de turma: sim ou não?



A retomada do ano escolar costuma gerar alguns “dilemas” para nós, mães, não é mesmo?! Esses dias atrás me peguei aflita pensando na possibilidade de mudarem as turmas na escola e separarem a Luisa das suas melhores amigas.

Fiquei então refletindo: devemos fazer ou não fazer questão de que nossos filhos caiam sempre com seus amigos na sala de aula?

Eu estava bem preocupada, queria que ela caísse junto especialmente com uma, que é a amiga preferida dela. Para vocês terem uma ideia, cheguei até a ligar para a direção da escola para ver se conseguia isso.

Mas daí, conversando com a própria Luisa, percebi que ela não fazia muita questão... Falou: “tudo bem, mãe, faço outros amigos”.

Fiquei mais aliviada a partir daí e até cheguei a ligar novamente na diretoria e falar: “não se preocupem com o que pedi anteriormente, coloquem a Luisa na sala que acharem que devem colocar”.

Mas, no fim, a Luisa e a amiga acabaram caindo na mesma sala mesmo. Ela ficou bem feliz e tal... Porém, vi que, se não tivesse sido dessa forma, não seria para ela “um bicho de sete cabeças”.... Percebi, aliás, que esta era mais uma preocupação minha do que dela!

E vocês, já passaram por isso? O que pensam do assunto?

Olhando para tudo com calma agora, formei minha opinião: acho que, apesar da gente ficar com insegurança, querendo sempre que nossos filhos “estejam rodeados de amigos próximos” na sala de aula, a melhor coisa é “deixar rolar”, confiar nas decisões da escola e saber que, do jeito que tiver que ser, eles se adaptarão!

E se for o caso de caírem separados dos amigos mais próximos, melhor ainda: eles terão um empurrãozinho a mais para fazerem novas amizades, se soltarão mais, acredito até que poderão se tornar cada vez mais sociáveis!

Porque tem muita criança que fica “muito ligada apenas a um único amiguinho” e acho que isso, dependendo do caso, pode interferir lá na frente... Pode ocasionar uma grande timidez, uma dificuldade maior em se relacionar nas diferentes fases da vida. (Claro que isto não é uma regra, acredito ser apenas uma possibilidade!).

Enfim, agora acredito que a mudança de turma seja benéfica para o desenvolvimento pessoal e social da criança! Mas, vale destacar, nem todas as crianças são iguais! Há as que se adaptam bem a qualquer situação, as mais extrovertidas e, para essas, geralmente é fácil estabelecer novas amizades.

Porém, existem também algumas que estão, de fato, muito ligadas a um ou mais colegas já há vários anos... E dependendo da personalidade dessas crianças, a separação pode ser “sofrida”, pode deixá-las um tanto “deslocadas” e até desanimadas com a escola.


Acho que o mais importante de tudo é não nos desesperarmos com antecedência (como fiz no caso da Luisa) e, antes de tirar qualquer conclusão, conversarmos com nossos filhos! Iniciando este diálogo, eles perceberão que podem confiar em nós para tratar deste assunto... E, às vezes, a conclusão pode ser exatamente como esta que tive com a minha filha: eu estava sofrendo por antecedência, mas ela não. Ela estava superdisposta a fazer novas amizades!