Olimpíada de Matemática, um exercício importantíssimo para o cérebro

Na semana passada, na nova coluna da Alessandra Netti (O Cérebro das Crianças), abordamos a Função Executiva e, neste contexto, trouxemos ao blog hoje um assunto que faz parte da vida de muitos adolescentes na escola: a importância da Olimpíada de Matemática.

Ao realizar uma prova deste tipo, os alunos podem nem se dar conta, mas estão trabalhando de forma importantíssima o cérebro: mais especificamente, o lado esquerdo dele, onde é usado o raciocínio, são feitos os cálculos matemáticos etc.

Ou seja, muito mais do que “testar conhecimentos”, quando uma criança ou adolescente se envolve em atividades nesta área da Matemática, está potencializando as funções cognitivas.

No artigo abaixo, o professor de Matemática do Colégio Piracicabano, Erasmo Alves dos Santos, responsável pela Olimpíada de Matemática na escola, fala um pouco mais sobre a importância deste tipo de atividade.

“Eureka, Eureka”

Erasmo Alves dos Santos*



Todos que conhecem e admiram os trabalhos do matemático, físico, engenheiro, inventor e astrônomo grego Arquimedes de Siracusa sabem muito bem do êxtase que ele sentiu ao determinar, com certa precisão, uma maneira de calcular as massas de ouro e de prata empregadas na confecção da coroa real encomendada pelo rei Híeron a um ourives. Após muito tempo em busca da resposta para o problema, um start, Arquimedes vislumbra ao entrar em sua banheira, a solução, e mais do que depressa, levanta todo atônito gritando: Eureka, Eureka (encontrei, encontrei). Assim como Arquimedes, os alunos, ao participarem de uma Olimpíada de Matemática, também têm seu momento Eureka.

Levantar cedo para realizar uma prova de matemática em pleno sábado é para eles tão bom quanto participar de um campeonato de futebol, a cada problema resolvido é como marcar um gol e, dependendo do problema, aquele golaço!

Passar para a próxima fase é continuar no jogo e o preparo tem que ser intensificado, “o osso é duro de roer”. O legal é que essa garotada gosta de ser desafiada, quer enxergar mais longe, resolver problemas é sua paixão. Eureka, Eureka.

Com isso, novos talentos aparecem, futuros matemáticos se despontam, engenheiros, físicos, entre outros profissionais carregando em suas bagagens profundidade no conhecimento lógico. Nessa, todos nós saímos ganhando.

Um presente aos das Exatas: Arquimedes (287-212 a.C). “A matemática é a mais alta das ciências, o dom mais alto que os deuses deram aos homens. Ela é mais poesia que a própria poesia”.

* Erasmo é professor de Matemática