Dia dos Avós: Susie fala sobre a tarefa encantadora de ser avó

Chuck and cheese em Miami


Ontem foi o Dia dos Avós e, embora eu já tenha feito isso em outras oportunidades, não resisti em conversar com a minha mãe (Susie de Paula Rodrigues) sobre a importância e a alegria de ser avó!
Para mim, ela é exemplo maravilhoso do que é ser avó! Mas, claro, sou suspeita para falar! Isso porque, além de ser uma avó presente, ela sabe como ninguém “entrar no mundo das crianças” e fazê-las realmente felizes!

Fico sempre admirada em ver como ela brinca de verdade com meus filhos e sobrinhos, como está sempre “à disposição” para eles e o quanto ela ama tudo isso!

O que é ser avó


 Quando ela se veste de bruxa para as crianças

“Para mim, é a melhor coisa desse mundo, um misto de satisfação, leveza, alegria! Amo brincar com eles, dar coisas para eles... Aliás, quando eles me pedem alguma coisa, só faço agradecer por estarem pedindo... Talvez porque eu não tenha tido avós por perto (já que uma morava na Suíça, e a outra, na Bahia), então hoje dou muito valor a esta relação com meus netos”, conta Susie.

Sim, a Susie é assim: conta história, brinca, dá presentes e declara que adora “estar livre da responsabilidade de ficar apenas cuidando e educando dos netos”!

 “Essa é a melhor parte de ser avó, da idade... Geralmente, quando nos tornarmos avós, já chegamos onde tínhamos que chegar, já não precisamos trabalhar tanto e não precisamos ficar nos policiando o tempo todo para educar as crianças... Claro que ajudamos nesta tarefa, mas de forma leve, sutil, pois essa obrigação é dos pais”, relata.

“Às vezes, como mãe, nos tornamos chatas, exigentes demais, porque pensamos o tempo todo na educação, aproveitamos todos os momentos para educar nossos filhos”, comenta.

Susie conta que, certa vez, há muitos anos atrás, estava esperando o portão do prédio abrir e viu umas crianças revirando lixo. “Minha filha Roberta virou e falou: ‘o que eles estão fazendo? Que nojo!’. A repreendi e disse que estavam tentando achar alguma coisa para comer, e aproveitei para dizer: ‘vocês desperdiçam em casa e eles procuram no lixo’. Ela imediatamente se benzeu e disse ‘graças a Deus que a gente desperdiça, né mãe?’”, relata.

“Então, vejo que, às vezes, querendo educar, a gente acaba até exagerando quando somos pais. Mas, quando somos avós é tudo diferente, é muito bom, é ‘mais leve’, e gratificante”, conclui Susie.

Festa junina aqui em Miami

Responsabilidades de uma avó

Jogando pãozinho para os peixes escondido para as crianças verem de perto


“Para mim, as responsabilidades de uma avó são: ajudar na infância dos netos e ajudar a filha nas possíveis dúvidas de educação, ter fibra, além de, é claro, aproveitar muito a vida ao lado dos netos”, diz Susie.

E com esse bate-papo despretensioso sobre “ser avó”, quero deixar registrado meu grande amor pela minha mãe, mas, também, minha admiração por todos os avós – que são essenciais na educação e felicidades dos netos e, também, na boa convivência de uma família!