Procuram-se profissionais para pessoas com Altas Habilidades/Superdotação

Adriana Vazzoler-Mendonça*



No dia dez de agosto comemora-se o dia mundial da pessoa com altas habilidades ou superdotação (AH/SD). Superdotação, também conhecida por inteligência superior, talentos, potencial elevado. A mesma neurologia que faz a criança, adolescente, jovem, adulto ou idoso ser brilhante em alguma área da vida, traz consigo angústia, questionamento, estranhamento e sentimento de inadequação. Precisam de apoio para alinhar seu potencial cognitivo com a habilidade relacional e treino da vontade para atuar no mundo, para encontrar um sentido para sua existência.

Assim como acontece com as pessoas com deficiências, dificuldades, transtornos e necessidades especiais, foi preciso criar um dia mundial para incentivar que falemos sobre essa população. A divulgação de informação correta é uma das melhores formas de se dissolver preconceitos e barreiras atitudinais, que dificultam a inclusão das pessoas com AH/SD na escola, no trabalho e nas atividades comuns da sociedade.

Em algumas publicações pode-se encontrar “dia mundial da criança com AH/SD”, mas não são somente crianças que têm essa condição neurológica. Crianças crescem e tornam-se adolescentes, adultos e idosos com AH/SD. De filhos com AH/SD, eles podem se tornar pais e avós com AH/SD de filhos e netos com ou sem a neurodivergência. Quando crianças, eles têm amiguinhos que os compreendem e outros que não. Na adolescência, vão pensar em namorar, uns mais cedo, outros mais tarde, e poderão encontrar barreiras e rejeição. No âmbito profissional, terminado o curso técnico ou a faculdade, eles vão para o mercado de trabalho, onde a condição de AH/SD é invisível por ser ignorada pelos gestores, funcionários do RH e outros profissionais. 



Aqueles que sobrevivem a uma vida inteira de esforços, dificuldades, dúvidas sobre sua sanidade mental, às vezes com uso de drogas e ideação suicida, em busca do sentido da vida, chegam à velhice mais solitários que seus pares que têm a neurologia na média da normalidade. Se saudáveis, podem trabalhar, estudar e realizar-se com sua produção, mas isso não é garantido.

Diante dessa riqueza de possibilidades na vida de uma pessoa com AH/SD, precisamos preparar e capacitar profissionais de todo tipo, não só professores de crianças. Nossas escolas precisam, sim, de professores de crianças com AH/SD, que estejam devidamente formados para a educação na diversidade, e não sejam sectários separando “professores da educação especial” e “alunos de inclusão”. Não existe tal separação. Todo educador deve saber educar todo tipo de aluno, posto que todos são de inclusão. Em seguida, temos que preparar os professores do fundamental II, do ensino médio, da faculdade e da pós-graduação, pois pessoas com AH/SD estudam em todo tipo de escola, pública e privada, cursos de exatas e de humanas e, quando não evadem, podem precisar de apoios, acomodações e adaptações até em seu pós-doc. 

Esse modelo de atenção a todas as fases da vida é o que tem sido praticado em países onde as altas habilidades, talentos e potencialidades incomuns são respeitadas, valorizadas e incentivadas ao longo da vida, porque se entende que essas pessoas podem contribuir com seu país na indústria, na agricultura, na docência, em pesquisa, na política, no comércio, em qualquer área em que sua criatividade, inventividade e inovação possa trazer benefícios a vida de outras pessoas para um bem maior.

É com alegria que divulgo que em 25 de agosto de 2018, sábado, às 15h00, haverá em Campinas uma roda de conversa sobre este assunto e onde serão cadastrados profissionais de todas as áreas que se interessem em trabalhar na atenção às pessoas com AH/SD de todas as idades e em todos os contextos. Informações 19 99175-9893.


*Adriana Vazzoler-Mendonça é Psicóloga, Arquiteta, tem especialização em Gestão da Qualidade e em Administração. Trabalha com Neurofeedback e Biofeedback na Clínica Kaleidoscopio em Campinas-SP. É também Coach em Diversidade, Inclusão e Acessibilidade na escola, no trabalho e na vida, em especial para adultos com Altas Habilidades/Superdotação. Email adriana.italia@gmail.com, WhatsApp 19 99175-9893.