Dia Nacional de Pessoa com Deficiência: temos motivos para comemorar?



No dia 21 de setembro, é comemorado o Dia Nacional de Pessoa com Deficiência. Mas será que a data gera mais motivos para comemorarmos ou para refletirmos?

Foi pensando nisso que convidamos o vereador de Piracicaba, André Bandeira, para o bate-papo abaixo, a fim de abordarmos com responsabilidade questões importantes como acessibilidade e inclusão social (questões das quais Bandeira é um grande representante na cidade). Confira:

1. No dia 21/09 celebramos o Dia Nacional de Pessoa com Deficiência. Data criada com o objetivo de conscientizar sobre a importância do desenvolvimento de meios de inclusão das pessoas com deficiências na sociedade. Neste contexto, como você vê a questão da inclusão atualmente?

Bandeira: A questão da inclusão em nossa sociedade ainda tem muito a ser desenvolvida Vivemos numa cidade que tem 251 anos e não nasceu nem cresceu planejada. Para mudar isso, para conseguirmos acertar tudo que foi feito de errado ao longo do tempo demora, mas tem bastante coisa já acontecendo, tem gente com boa vontade para realizar. O que precisamos é organizar essas ações, somar forças para alcançar esses objetivos.

Não existe uma cidade que seja modelo de acessibilidade, apesar dos avanços, são muitos os desafios. Nós estamos fazendo nossa parte, trabalhamos e lutamos pela por essa causa.

Milhares de pessoas com algum tipo de deficiência estão sendo discriminadas nas comunidades em que vivem ou sendo excluídas do mercado de trabalho. Muita coisa já melhorou, mais ainda há muito por fazer.

2. De forma geral, quais políticas você acredita que possam ser implantadas nas cidades para melhorar a qualidade de vida das pessoas com deficiência?

Na saúde, os locais de atendimentos precisam ter infra-estrutura, áreas maiores, sem superlotação.

Implantação de políticas de prevenção.

Mais vagas de terapia e fisioterapia, mais obtenção de cadeiras de rodas, próteses e órteses para quem não tem poder aquisitivo.

Na área social, programas com orientação para pessoas com deficiência, para prepará-los para o convívio na comunidade.

No mercado de trabalho, vagas com faixas salariais compatíveis aos do demais, e locais adaptados para a pessoa ter acesso total no seu ambiente de trabalho.

Nas áreas de lazer, esportes, cultura e transportes projetos abrangentes que atendam a todos os tipos de deficiência.

Na educação ciclos do ensino fundamental, recursos técnico-pedagógicos, de estímulo suplementar, de acompanhamento de equipe multidisciplinar, fonoaudiólogos, assistentes sociais, psicólogos, terapeutas ocupacionais.

3. Em Piracicaba, em especial, o que já foi feito? E o que ainda deve ser feito para proporcionar melhor qualidade de vida às pessoas com deficiência?

Quando fui eleito vereador e assumi em 2005 comecei a lutar por mais acessibilidade em Piracicaba, a frota do Elevar, que é um serviço de transporte de pessoas com deficiência era pequena e os ônibus acessíveis com plataforma elevatória não existiam. Hoje, todo o transporte público é acessível e a frota do Elevar aumentou devido a nossa intensa cobrança.

Também, não haviam taxis acessíveis em Piracicaba. Fiz uma indicação para a Prefeitura para que fossem criados a fim de dar ainda mais condições às pessoas com deficiência se locomoverem em nossa cidade.

Constantemente cobro a Prefeitura para que sejam feitos reparos em calçadas e sejam construídas rampas para melhor locomoção de pessoas com deficiência, idosos, gestantes, mães com carrinhos de bebe, entre outras pessoas que precisam de mobilidade.

No ano passado, fizemos uma parceria com o Memorial da Inclusão de São Paulo e trouxemos a exposição “Grandes Nomes, Grandes Feitos” que apresenta trabalhos desenvolvidos por 12 personalidades brasileiras e estrangeiras com deficiência.

Por meio dos sentidos, os visitantes são convidados a conhecer suas instigantes trajetórias por meio de 12 instalações que promovem a interação sensorial de diferentes formas, fazendo referência às habilidades que tornaram notórios cada nome da lista.

Para promover a acessibilidade, a exposição conta com áudio-descrição e textos em dupla leitura (braile e português ampliado).

Brinquedos adaptados para lazer de crianças com deficiência: são brinquedos simples e baratos que podem trazer alegria para centenas de crianças, infelizmente hoje ainda privadas de seu lazer por não terem espaços adaptados e acessíveis.

Defendemos que a pessoa com deficiência tem direito à cultura, ao esporte, ao turismo e ao lazer em igualdade de oportunidades com as demais pessoas. Segue abaixo algumas iniciativas e projetos já feitos em Piracicaba:

O evento Miss e Mister Down, no Dia da Síndrome de Down, no Shopping Piracicaba. “No dia foi uma confraternização geral e todos foram eleitos miss e mister down, porque o intuito é promover a inclusão e a participação desse público.

Tradução em Libras (Língua Brasileira de Sinais) nas reuniões ordinárias e extraordinárias da Câmara.

Todas as transmissões da Câmara têm que ser adaptadas para pessoas com deficiência auditiva. A pessoa com deficiência auditiva vai conseguir entender o que está sendo falado, o que está sendo discutido, o que está sendo proposto. A iniciativa só vem ajudar, principalmente nesse momento em que estamos em busca da maior transparência possível da Câmara e a participação popular.

Adaptação da Câmara para se tornar um lugar acessível e cada vez mais inclusivo, dando destaque para o aumento das proposituras relacionadas a essas causas. Quando eu entrei, a própria Câmara não era adaptada. Ainda falta acessibilidade em um monte de local no município, mas desde que entrei aqui o número de proposituras para essa área, não só minhas, mas dos outros vereadores, aumentou em mais de 2.500%.

Indicação para que fosse colocada vaga especial em todas as escolas municipais, estaduais e particulares e sugeriu a criação do programa educação física inclusiva na rede municipal de ensino.

Por meio da Sedema (Secretaria Municipal de Defesa do Meio Ambiente), consegui a construção da primeira academia híbrida (destinada a frequentadores com ou sem deficiência) do município, no bairro Piracicamirim, além de mais duas academias ao ar livre, instaladas no Sol Nascente II e no Jardim Esplanada.

Nos requerimentos, solicitei informações sobre normas para edificações no município e recursos para aquisição de cadeiras de rodas, órteses, próteses, aparelhos auditivos e materiais relacionados. “Não é nosso foco ficar fazendo projetos de lei, porque a maioria já estão escritos. O que precisa é cobrança por parte do Legislativo para que o Executivo cumpra essas funções”, acredita o parlamentar.

No mês de março, na 10ª reunião ordinária, a Câmara aprovou em redação final o projeto de lei 20/2017 que proporciona acessibilidade adequada às exibições cinematográficas aos deficientes auditivos, de minha autoria.Segundo Bandeira, o PL “é uma regulamentação aqui no município da LBI (lei Brasileira de Inclusão), que determina que as salas de cinema tenham obrigatoriamente a legenda nos filmes, para facilitar a vida do deficiente auditivo, como também a audiodescrição, para facilitar a vida da pessoa que tenha deficiência visual”, explica.

Carteira de identificação para pessoas com deficiência: Esta carteirinha trará mais facilidade para a identificação da deficiência, afim de que não passe por nenhum constrangimento.

Banheiro para Ostomizados: De acordo com as mudanças as edificações deverão dispor de, pelo menos, um banheiro acessível para cada gênero, distribuindo seus equipamentos e acessórios de modo que possam ser utilizados por pessoa com deficiência, com mobilidade reduzida ou ostomizado.

Conscientização sobre o uso de vagas reservadas: O intuito é buscar o respeito das pessoas. Que cada motorista se coloque no seu devido lugar, cumpra a legislação e não pare nas vagas reservadas aos idosos e às pessoas com deficiência.

A primeira ação foi a de conscientização das vagas reservadas que teve o objetivo de conscientizar a população em geral sobre a importância de respeitar as vagas destinadas às pessoas com deficiência.

No segundo momento, autoridades do município e representantes de entidades puderam sentar em cadeiras de rodas e percorrerem um trecho, percebendo os obstáculos de quem é cadeirante.

Desfile Inclusivo: Já estamos na nona edição e esse ano entre os inscritos foram escolhidos 30 modelos entre crianças, adolescentes e adultos com alguma deficiência ou mobilidade reduzida. O evento envolve moda e ações em favor da inclusão.

Campanha dos Lacres, promover o engajamento de pessoas da sociedade em prol de adquirir cadeiras de rodas para quem não tem como comprá-las.

São muitas as frentes de atuação e precisamos somar forças para alcançar esses objetivos.